Como as empresas devem (e não devem) usar a IA: um plano estratégico


Assespro-RJ
Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia
06 de Junho 15:10
  • Enviar por e-mail
    Enviar por e-mail
    Para múltiplos destinatários separe os e-mails por vírgula.
  • Salvar em PDF

Como as empresas devem (e não devem) usar a IA: um plano estratégico

As empresas muitas vezes se encontram em uma encruzilhada na corrida para alavancar a inteligência artificial (IA). A atração da promessa da IA é inegável - desde melhorar as experiências do cliente até automatizar tarefas rotineiras. No entanto, como uma empresa aborda a IA pode significar a diferença entre o mero flerte tecnológico e a obtenção de resultados reais e transformadores. Aqui, ofereço um plano estratégico para empresas interessadas não apenas em pilotar a IA, mas também em dimensioná-la de forma eficaz.


 
Comece pela estratégia, não pela tecnologia


A primeira regra para qualquer negócio que se aventure na IA é simples: comece com seus objetivos estratégicos, não com a tecnologia. A IA não é uma panaceia que resolve magicamente todos os desafios de negócios.


Antes de mergulhar, as empresas precisam identificar casos de uso claros em que a IA pode ter um impacto significativo alinhado aos objetivos de negócios.


Quer se trate de melhorar a eficiência da cadeia de suprimentos, personalizar os esforços de marketing ou melhorar o atendimento ao cliente, a chave é garantir que as soluções de IA abordem pontos problemáticos específicos e agreguem valor tangível.

 


Considerações Éticas e Mitigação de Vieses


À medida que as empresas exploram a IA, é crucial abordar as implicações éticas e trabalhar ativamente para mitigar os preconceitos nos modelos de IA.


Por exemplo, o conselho de ética da IKEA rege a implementação ética da IA e garante a equidade nas aplicações de IA. Ao manter a transparência nos dados e nos processos algorítmicos, as empresas podem evitar os efeitos prejudiciais da IA tendenciosa, mantendo assim os padrões éticos e a confiança do cliente.


 
 
Conformidade Regulatória e Questões Legais


Um grande passo em falso para as empresas é subestimar a importância da conformidade legal nas implementações de IA.


A conformidade regulamentar, incluindo a adesão às leis de proteção de dados como o GPDR na Europa e a CCPA na Califórnia, deve ser uma prioridade.


Um exemplo é o setor de saúde, onde as empresas alavancaram a IA ao mesmo tempo em que aderiram rigorosamente aos regulamentos da HIPAA, mostrando como a conformidade pode ser perfeitamente integrada a soluções inovadoras de IA


 
Requisitos de infraestrutura de tecnologia


Investir em IA sem a infraestrutura tecnológica necessária é uma antevisão comum. A implementação eficaz da IA requer uma infraestrutura tecnológica robusta. As soluções modernas de IA em nuvem fornecem um exemplo ilustrativo de integração de IA em ecossistemas de TI existentes, oferecendo recursos avançados de armazenamento de dados e computação adaptados para suportar operações intensivas de IA. As empresas devem considerar essas necessidades de infraestrutura no início do processo de planejamento para garantir a integração e escalabilidade perfeitas da IA.


Uma armadilha comum para muitas empresas é o entusiasmo de criar pilotos de IA sem um roteiro para escalá-los. Esses pilotos geralmente geram burburinho, mas fracassam sem deixar um impacto substancial nos negócios. O dimensionamento da IA requer não apenas prontidão tecnológica, mas também alinhamento com as operações de negócios e a visão estratégica. Uma transição bem-sucedida do piloto para a escala envolve planejamento meticuloso, colaboração interdisciplinar e, às vezes, uma dose de coragem para superar a inércia organizacional.

 


Cultivando a cultura certa


A tecnologia pode estar no centro da IA, mas as pessoas são a alma. Para que a IA prospere, criar a cultura organizacional certa é fundamental. Isso significa cultivar um ambiente onde a inovação é incentivada e os fracassos são vistos como trampolins para o sucesso. O apoio da liderança é fundamental neste esforço. Os líderes devem não apenas endossar as iniciativas de IA, mas também participar ativamente da promoção de uma cultura que abrace a mudança e o avanço tecnológico.

 


Levando as pessoas à jornada da IA


Um dos maiores erros é ignorar o aspecto humano da adoção da IA. As empresas precisam garantir que engagem seu pessoal na jornada da IA. Isso envolve o envolvimento com os funcionários em todos os níveis - conversando, ouvindo e, o mais importante, abordando suas preocupações e aspirações em relação à IA. Fornecer oportunidades para a equipe desenvolver, aprender e experimentar tecnologias de IA pode desmistificar a IA e ajudar na construção de uma força de trabalho fluente em IA.



Aprendendo e compartilhando as melhores práticas

Nenhuma empresa opera no vácuo, e aprender com os outros pode acelerar a adoção da IA. Compartilhar as melhores práticas e aprendizados não apenas dentro da organização, mas também com colegas e coortes do setor pode fornecer novas visões e evitar armadilhas comuns. Essa abordagem colaborativa pode levar a uma estratégia de IA mais robusta que se beneficie de experiências e inovações coletivas.


As empresas que prosperarão no mundo digital de hoje são aquelas que abordam a IA com uma lente estratégica, promovem uma cultura de inovação e inclusão e escalam suas iniciativas com precisão. Lembre-se de que a IA é mais do que apenas tecnologia - é uma ferramenta transformadora que, quando usada com sabedoria, pode redefinir a própria essência de como as empresas operam e se envolvem com seus clientes.


Embora a IA apresente imensas oportunidades, sua integração bem-sucedida requer uma estratégia ponderada, prontidão cultural e uma abordagem inclusiva para a gestão de mudanças. As empresas que reconhecerem isso não apenas evitarão as armadilhas da IA mal aplicada, mas também se posicionarão como líderes na fronteira da tecnologia inteligente.

Texto por: Bernard Marr

Tradução: Adalberto Nunes, Conselheiro Fiscal da Assespro-RJ e Presidente do Conselho Deliberativo do CNPI

Via: Forbes

03 e 04 de julho de 2024 | Centro de Convenções da Bolsa do Rio

ESTRATÉGIAS DE NEGÓCIOS E COMPETITIVIDADE DIGITAL COM INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

DO RSA CONFERENCE 2024 PARA O BRASIL: TENDÊNCIAS CORPORATIVAS EM CYBERSECURITY COM IA

Comentários
Carregando...